6 de agosto de 2017

Distância


Oiço-te na ausência de todas as coisas
Nesse silêncio que habita em mim quando não estás

Existes, mesmo contra a vontade de muitos
Contra todas as frias probabilidades matemáticas
Contra as distâncias dos oceanos e das terras
Pela força da minha vontade talvez, 
ou pela coincidência dos teus gestos

Gasto _ por agora_ as últimas metáforas 
e cansada de lucidez adormeço 
à espera de que me ergas as pálpebras 
num beijo de matar todas as sedes

E só então eu te direi um segredo.

A minha felicidade alimenta-se de tudo o que habita em tua boca




M. Lucas

Enviar um comentário