21 de junho de 2016

Hoje não é dia



Em dias como este, de ruas descoloridas e céu de azul embolorado, 
caminho de pés descalços à procura de algo que não existe,
numa teimosia maior que o vazio que me preenche.

Desequilibro-me no oco da existência, 
como se mais não fosse que uma folha que o vento leva, 
à espera da sorte de um pouso leve.

Peço perdão à minha natural alegria, mas hoje não é dia. 
Deixem-me ficar assim, sem sonho ou sono, 
embriagada do mais profundo vazio _ Útero fecundo de onde um dia
essa alegria…quiçá  renascerá.



Maria Lucas


16 de junho de 2016

Eu só sei falar de Amor???






Eu só sei falar de amor??
Como assim??
Foi a minha reacção indignada à pergunta inusitada de um amigo. 
À princípio, como é da minha mais profunda natureza, sempre que me apanham de surpresa com algo que à partida não concordo, recusei o "sim" como resposta (peremptoriamente), como se fosse uma fraqueza, uma limitação, o tal "só saber falar de amor".
Então não economizei meios e arregalar de olhos, para tentar convencê-lo de que o que ele dizia era um absurdo.
Como é possível que alguém pense que eu só falo de amor?
Eu falo de pássaros, das coisas que eu gosto, das pessoas que me tocaram e partiram, ou ficaram. Falo dos rios e os comparo à minha vida. Falo da dança, dos desejos que tive e tenho, da saudade, da infância, falo de pai, de mãe, de filha, de amigos. Falo de sonhos, de liberdade, de paz, de alma e de Deus, falo até de café e de bolhas de sabão.
Como é possível que ele resuma o que eu escrevo à somente “amor”?

_O que é o “Amor” então? Perguntou-me ele, irritantemente sábio. Demais até, pro meu gosto.

É difícil que me faltem as palavras, mas nesse momento permaneci muda, como se fosse possível esquecer o significado da palavra mais linda do mundo, depois de “saudade”, é claro.

Foi então que percebi que afinal ele estava mais do que certo. Eu só sei falar daquilo que que amo….Apenas e tão somente.
E o que amo, nem sempre é limpinho, doce ou colorido. Às vezes é triste, algo nostálgico e até trágico. Mas a vida, no final não é assim mesmo?

Então, meu amigo, por mais que me custe, dou-te razão....

Sim…sim…sim…sim e mil vezes sim.

_Eu só sei falar de amor!