2 de setembro de 2015

Um pouco de Neruda




Depois de tudo te amarei
como se fosse sempre antes
como se de tanto esperar
sem que te visse nem chegasses
estivesses eternamente
respirando perto de mim

Pablo Neruda
Enviar um comentário