3 de junho de 2014

De Pés no Céu

Todas as manhãs, calçava seus sapatos de viver
E saia, de olhos postos no chão, para encontrar o “seu caminho”
Certo dia, distraída, tropeçou num desencanto e caiu.
Tombou pesadamente os joelhos e os sonhos na queda
Desaguou um mar inteiro dos seus olhos
Desabando de costas no chão,
o seu último amparo.

De tristezas, adormeceu
Mas ao acordar (com olhos de nascente)
Percebeu que alguém a velava...

Era o “céu - caminho”


"É preciso  que te percas muitas vezes, para que te encontres."

_Nunca mais calçou sapatos…
descobriu que tinha asas.


Maria Lucas, 03-06-14



Enviar um comentário