12 de outubro de 2013

Felicidade Simples


Escrevi este texto a pedido de um amigo:
"Gostava de ler algo teu...que descrevesse a felicidade simples de estar vivo..."














Que nunca me abandone essa minha vontade de sorrisos, mesmo que digam exagerada.
Desde pequena encontrava poeira de sonhos nas pedras do caminho.
Sempre achei a felicidade barata, preciosidade exposta e entregue às mãos
de quem fosse ao menos .... curioso.

Às vezes brinco de Deus, pensando controlar o vento. 
Quando uma brisa me sopra nas costas tento andar à sua velocidade
e penso que por minha vontade, o vento parou.
E rio de mim mesma por, no meio da vida, ainda brincar de menina.
E sorrio da minha teimosia em repetir o que fazia em tempos já tão idos.
Apanhar conchas na areia e imaginar os tantos colares que prometia fazer e nunca fiz. 
Doce para mim era pensar que trazer comigo as conchas, 
era também trazer comigo o fundo do mar.

E de tanto fazer o que fazia, ainda trago no rosto essa marca de menina,
tendo comigo a coragem que tem aqueles que brincam de divindade,
o sorriso daqueles que tentam entender o vento
e o brilho dos olhos daqueles que trazem consigo o fundo do mar.



Maria Lucas


Ainda ontem chorava no meu ombro um amigo por não ser correspondido "como achava que devia ser" pelo seu amor. E quantos de nós já nos sentimos assim... mal, mesmo que por outros motivos? 
No meu último dia de trabalho diagnostiquei uma leucemia em uma criança de sete anos.
Só se sente a falta de ter notado antes a felicidade simples de estarmos vivos 
quando nos bate à porta a possibilidade de que não a possamos sentir mais.

Que não esperemos por esse momento...



* e que Deus te proteja, menina...