31 de agosto de 2013

Sobre Felicidade



Descrever felicidade é ter a consciência da fragilidade da sua substância.
Nunca encontrei a mistura de palavras capaz de traduzi-la, 
embora esse fosse meu sonho.
Ontem “vi” a definição de felicidade:
Uma criança a correr aos pulos, atrás de bolhas de sabão.

E apeteceu-me o silêncio


8 de agosto de 2013

Recolhe-me



Nasces-me das mãos a cada poema que escrevo
Preciso recitar-te diariamente para que não morras
Talvez nunca te encontre, talvez nem se quer te reconheça.
Escrevo para manter-te vivo mesmo temendo que não existas
Sonho que te reconheças em meus versos
e recolhas com beijos de primavera
as minhas mãos já cansadas do inverno da ausência 
dos teus olhos nos meus
Maria L. Lucas

4 de agosto de 2013

Saudades



Sinto-me (por esta frase) como se fosse uma pessoa despedaçada
Por tantos caminhos que escolhi, deixando tantos para trás.
Consolo-me sempre pelas palavras que derramo:

A vida é feita de saudades, das vividas e das não vividas
As vividas, por terem sido doces, são a substância dos nossos sorrisos
As demais, são a intensidade das nossas almas.
A matéria-prima das noites insones
E a força das palavras do poeta

Minha alma intensa do que não fui
Sorri por ter sido tanto
E por isso escreve.

Ela,
Não eu.

Eu apenas sorrio.

2 de agosto de 2013

Resto

Dia desses, no livro que estou a ler, parei, suspirei e pensei:



Ser feliz é saber se ver por dentro

Ser feliz é deixar poucos restos por viver

Pois se a gente sufoca a vida demais

Morre antes a vida acabe.


Permita-se