14 de julho de 2013

Nómade


Aqui está a casa que não foi queimada
Os brinquedos que a criança não guardou
A árvore podre que não foi cortada
Deixando à mostra 
A falta de  CORAGEM
A falta de OUSADIA
A falta de AMOR 

E tudo ficará como está 
A lembrar  como termina tudo aquilo
Que não teve fim
E nem deveria ter tido começo

Façamos como faziam os antigos nómades
Sigamos em frente
E que o destino deseje que o novo
Seja mesmo merecedor de começar.


"...Nessa estrada

Só quem pode me seguir sou eu 

Sou eu, sou eu, sou eu.."


      Noturno_ Fagner