24 de maio de 2013

Bem Passado, por favor!





Eu sou fascinada pela palavra passado e, cá entre nós, essa conversa de viver o momento e esquecer o passado serve para duas coisas, uma a de nos fazer cometer os mesmos erros de antes e a outra é desvalorizar os bons momentos que vivemos, aqueles que nos deixaram um sorriso frouxo só de lembrar
ou mesmo os olhos molhados por sentirmos novamente a saudade do que fomos e do que provamos um dia.
Guardo nas rugas do sorriso as alegrias passadas e o brilho que trago nos olhos, é fruto de muitas lágrimas e de muito amor.
Abençoo cada pedaço do corpo que cedeu à gravidade da vida que vivi e guardo com orgulho os retalhos de panos bonitos que Deus foi tecendo em minha pele, para cobrir cada rasgo que a vida causou.
No final das contas minha cor, meu cheiro e meu calor são heranças de tudo aquilo que tive a ousadia de viver, a força de manter e a sabedoria de deixar partir.
E que venha o futuro com mais cores, remendos e sabores pois não me canso de crescer e de coleccionar histórias para contar por aí.

Mais um remendo...

Ah…e bem passado,  por favor!

Maria Lucas © Maio de 2013

22 de maio de 2013

As palavras que não dizes



http://browse.deviantart.com/art/Give-me-your-word-63233471


Tua boca arranca de mim todo o comando
E apodera-se livremente da minha vontade
Não pelos beijos que me queimam
Nem pelos gemidos que me cegam
Mas pelas palavras que não dizes
Pois se as dissesses arrancarias o último juízo
Que ainda habita em meu peito

Guardas-me a sanidade no teu silêncio.

Maria Lucas

19 de maio de 2013

Osmose



Chegaste-me por um caminho inusitado,
Por portas que julguei trancadas.
Chegaste-me sem aviso, sem preparo
Com um cheiro bom e inebriante
Num dia nublado e sem brilho
Penetrando-me com emoções inusitadas.
Aqueceste-me o peito por dentro
Apenas com palavras…
Mas das que surpreendem e arregalam os olhos
E agora ponho-me a imaginar como seria
Encontrar os teus olhos de poeta nos meus
E ter, pelo toque das tuas mãos,
A tua poesia doce
Escrita na minha pele.

E a porta não estará trancada desta vez….

Maria Luca

13 de maio de 2013

Inspiração


Falta-me hoje a poesia
Sobra-me então a serenidade
Mas que curiosa ironia
Sentir saudade da saudade
Que me causava agonia
Mas que me inundava de fantasia
Ah triste sina essa de poeta
Que se desespera mais pela morte do amor
Do que pela perda do ser amado
Porque os mais belos poemas de amor
Nascem de um poeta apaixonado e sua dor
Ou de seu coração remendado.


Para quem se diz sem inspiração....até rimo.
Doida que eu sou...

3 de maio de 2013

Dia de Mãe



Para falar da minha, preciso falar um pouco de mim:
EU: adoro pizza, como devagarinho saboreando o gosto do molho. Primeiro as bordas, até chegar na ponta, repleta de queijo. Adoro ovos fritos, com a gema meio mole.

MINHA MÃE: mulher humilde, aprendeu a ler sozinha e ainda lê bem devagar.
Teve infância sem carinhos ou sonhos, de fazer Cinderela pensar que seus dias de borralheira eram de felicidade pura.
Minha mãe continuou borralheira até o final. Não viu príncipe, carruagens, vestidos de baile ou sapatinhos de cristal.
Ficou mesmo pela abóbora e o avental de cozinha.Não entendia de romantismos, nem percebia muito dessas coisas de amor.
Mas guardava todas as pontas das pizzas e todas as gemas pra mim, sem precisar que eu pedisse.
Minha mãe não entende de amor, esse luxo de Cinderela…
Mas ela nem desconfia da sua maestria nesse assunto…

Transborda-lhe o amor pelos poros e ela nem percebe.


Maria Lucas © Maio de 2013

1 de maio de 2013

Pele de Poeta




Gosto de pensar que os olhos que me lêem são como línguas sedentas de poesia
Gosto de pensar que passo a ser dona desses mesmos olhos,
nem que seja pelo curto instante da leitura.
Cubro-me dos sonhos que outros também ousam sonhar
Exponho-me de sentimentos que outros também podem sentir
Confesso desejos proibidos que outros sonham fazer
E nesse encontro sinto o toque de outros dedos na pele de seda da minha inspiração
Assim, duas almas se encontram
Assim, duas almas se tocam
Pelo simples prazer de amar poesia
Nem que seja pelo curto instante da leitura
Pelo curto instante em que teus olhos são meus

Maria Lucas