10 de março de 2013

Tu

Desconheço a autoria da foto

Eras tanto! Eras claro e forte, eras doce e sal.
Na boca, tua saliva e gosto derretiam-me em desejos.
Na pele, perdia de vista tuas mãos, donas de tudo em mim.
Sorrias-me e eu sorria-me inteira de espanto e calor.
Hoje és só uma sombra do que foste
Um poço de mágoas infinitas e egoístas
E nem percebes a despedida que se mostra a cada ausência tua
A cada dia, a cada dúvida, a cada recusa, a cada medo teu
Tu que sabias do nosso tamanho
Tu que sentias que era destino
Tu de tão claro, escureceste
E de tão raro tornou-se comum 
Perdoa a minha poesia triste
Mas ela também sente saudade de nós.
Logo amanhece, se cansa de ser triste e fica em paz.

Também nós

Maria Luca© março de 2013

Enviar um comentário