17 de março de 2013

Espera...Um poema de amor



A queixar-me (comigo mesma) nunca ter recebido nenhum poema de amor, decidi despentear o passado e com profunda emoção, estava enganada....recebi sim, um poema, de alguém muito importante para mim. Gostaria de vê-lo novamente, sim. 

Todo o Amor deixa saudade.

A trilha segui entre arbustos densos,
Denso de medo, denso de paixão.
Pegadas ao chão, cheiro de tensão.
 O trilho ouvi e o trem não vem,
Ouvi seu apito e ela não vem.
 No vai, no vem,
Entre muitos, sem ninguém.
Entre murros, entre mares
Esperarei.
 Senti o calafrio do calor da mão,
Senti o teu tocar.
Olhei e achei que era.
Era de uma era, era de muro e de flor,
Era de encanto e de amor.
Contudo, era uma vez...
 Mergulhei, mas não me molhei,
 Caí, mas não me machuquei,
Chorei, mas não me ressequei.
Bebi e não me embriaguei.
 Naveguei, porto não encontrei.
Afundei e não senti o fundo do céu,
Do mel, do véu,
Da noiva que não veio.
 O mensageiro veio sem nada,
O carteiro esqueceu de entregar a carta.
 Olhei o mar e o horizonte não tinha sua linha
Não havia cor de paixão,
Nenhum navio vinha.
Havia uma vinha e do seu fruto apenas provei.
Não me fartei, não te falei.
Sei que falhei, sei que deixei, mas sei que te amei...
 Esperarei. 

 J.M.
Enviar um comentário