28 de março de 2013

Desejo



Guardo em ebulição meus sentidos sob a pele fria que me cobre
Enquanto aos desatentos pareço apenas um sereno corpo morno

Não se enganem…
Meus sentimentos e emoções aflitas esperam ansiosas o instante de libertação.
Por vezes até oiço seus ruídos no vão entre as clavículas
Não, não me toque o peito desnudo, pois
Avizinha-se a minha tempestade
E prefiro que apenas me fique por dentro
Num mudo e violento espanto
É minha sina… a de tremores eternos
E tremo de saudade da mão que me liberta
E treme e geme e queima comigo
Porém,
É minha sina também…a de saudades eternas
Então resignada, tremo por dentro…
só por dentro.

>Maria Lucas
Enviar um comentário