27 de novembro de 2012

Mas não de mim




Vou extraviar-te do teu rumo certo, 
raptar-te sem aviso numa madrugada qualquer,
sem pedir licença aos meus princípios,
só para ouvir o que terias dito.
prender-te, atar-te, usar-te, só para o meu prazer
beijar-te até doer-me a boca
sugar-te até faltar-me o ar
e depois de saciada, 
cansada, feliz
deixava-te ir para sempre...

mas não de mim.

Maria Lucas