24 de setembro de 2012

Enlouquecer a Anatomia


Fazer amor é mais que amar. Fazer amor é duvidar se o que mais queremos é sentir ou dar prazer, porque a resposta do outro é dada de uma forma inaudível, apenas se sente na pupila o rosto transtornado e transbordado de desejo. Tentei fazer justiça em palavras do que penso que seja "fazer amor", mas não consigo. Apanho emprestado as palavras que se seguem pois essas sim se aproximam do que eu queria dizer.

Desconheço a autoria do texto e das fotos,
mas

"Um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente ... e não a gente a ele!"





Fazer amor requer arte inconsciente

Fazer amor transcende o feio e o bonito
Fazer amor requer a alma despida
Fazer amor transcende a sexualidade
Fazer amor é ignorar todos os conceitos formais da humanidade
e se entregar como quem se doa a si mesmo
Fazer amor não tem vínculo algum
com o lado físico dos seres
Fazer amor é uma divindade.
Divindade que advém do mais nobre dom da vida : a própria vida.
Fazer amor é enlouquecer a anatomia.
Não importa a forma.
O que importa é não importar com coisa nenhuma.
Fazer amor é fazer de inconcebíveis palavrões um lindo poema.
Fazer amor é fazer do corpo um banquete de sonhos
e fazer da alma o berço do gozo...




Enviar um comentário