3 de janeiro de 2019

Ainda dá Tempo

Foto: Past, by Sevim Dalan


Há sempre um tempo em que lembramos do tempo em que tínhamos tempo...muito tempo

Nesse momento, agarra a pressa bem apertada pela mão e dá-te conta de que o que tens hoje, já se acabou há séculos.

Anda!
Que não há mestre melhor que o tempo
e asa maior que a vontade.


Maria Lucas
O despertador desperta, 
acorda com sono e medo; 
por que a noite é tão curta 
e fica tarde tão cedo? 

Millôr Fernandes, in "Pif-Paf" 

30 de dezembro de 2018

Desbotada


foto: Folhas Secas by Weckesdesires


Deixei meus sonhos num pedaço de papel
Lá poderia ser tudo o que eu quisesse, sereia, meretriz, anjo, Rapunzel; escreveria canções, livros, poemas, faria loucuras, roubaria um beijo, nadaria nua, aprenderia a pintar, subiria o Evereste, veria a Aurora Boreal e dormiria com os monges do Tibet. Voaria de balão na Capadócia e voltava de Camelo à Machu-Picchu.

Eu poderia ser tudo o que quisesse…mas não quis.


Hoje sou só e apenas eu, na minha versão mais desbotada

_...”E o que sou me basta”; digo eu no tom dos que gritam (porque duvidam).


Mas eu...

eu ainda existo

na tinta 

dentro da caneta

à espera de nascer

na primeira folha

do livro que nunca escrevi.


Maria Lucas


Quem Sonha Mais?
Quem sonha mais, vais-me dizer — 
Aquele que vê o mundo acertado 
Ou o que em sonhos se foi perder? 

O que é verdadeiro? O que mais será — 
A mentira que há na realidade 
Ou a mentira que em sonhos está? 

Quem está da verdade mais distanciado — 
Aquele que em sombra vê a verdade 
Ou o que vê o sonho iluminado? 

A pessoa que é um bom conviva, ou esta? 
A que se sente um estranho na festa? 

Alexander Search, in "Poesia" 


11 de maio de 2018

Aurora




Conheci Dona Aurora na secção de limpezas num corredor de supermercado. 

Dona Aurora não entendia de letras. Trazia o recorte do rótulo de um detergente de loiça que, segundo ela, deixava os copos com um brilho inigualável.

Estava a ter tantas dificuldades para encontrá-lo que me ofereci para ajudá-la. 
Para mim não foi difícil. Para Dona Aurora eu fui brilhante, por tê-lo encontrado dois corredores à frente e pela amabilidade espontânea que lhe dediquei. 
Beijou-me muitas vezes nas mãos e agradeceu como se eu fosse um anjo. 
Deixou-me com um sorriso e um calorzinho bom no peito, mas fiquei com uma espécie de pena por ela não ter frequentado a escola. 

Dias depois Dona Aurora recebeu-me em sua casa, feliz feito criança, fazendo-me sentir como uma amiga de longa data. Fez-me o melhor entrecosto com favas que eu já havia provado na vida. 
Depois do jantar, comprovamos o brilho dos copos lavados com o detergente em sua máquina. Sorridente e efusiva, como se tivesse encontrado um tesouro. 

Aurora, a felicidade em pessoa, decididamente não entende de letras, mas brilha mais que seus copos lavados com o nosso sabão. 

Fiquei com uma espécie de pena de mim. 

Na escola não me ensinaram a encontrar tesouros nas “pequenezas” como a Aurora naturalmente o faz.

Vale é que aprendo rápido e ela ensina como ninguém.



Maria Lucas.

PS: A foto é meramente ilustrativa. Aurora não gosta de dar nas vistas.

20 de janeiro de 2018

Nascente


Foto: Américo Sperandio



O acaso anda a escrever primaveras nas pedras do meu caminho

e o que eu sinto ainda não tem nome

mas no espaço infinito do meu espanto

borboletas nascem de asas abertas

e voam...

absurdamente...

no vácuo do silêncio

que ainda me habita a boca





Maria Lucas

12 de janeiro de 2018

Gaveta das asas

 A Life for a Life I photo by Julia Tsoona

Eu quero aprender a guardar amores em uma gaveta aberta
E deixar que voem livres, sem receio de os perder
Eu quero distinguir as verdades de todas as asas
Entender que nem todo o amor é de amar 
 e nem toda a dor tem de doer
para as que têm...
a poesia me basta

Maria Lucas